Poesia de Ana Cândida Carvalho

Descalço, desfaço os nós mal traçados

Equilibrando dados falsos

Lançados em vão, ou não

Crente, ainda sustento vícios proibidos

Inclinados para o lado oposto do infinito

Atraído, inconsciente, para o interdito

Sem nexo!

Sou pó, inconfesso!

Certo do desbocado mistério

Colecionando silenciosos protestos

Sou rastro! Entre gritos abafados

Calado, desfazendo laços arbitrários

Distante, ainda, da rima

Que denuncia quem não sou.

 

Ana Cândida Carvalho

Blog: https://medium.com/@macacofotografo

View profile at Medium.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s