Canto do rio, de Climério Ferreira

Chore não

Um rio não morre à toa

Corre na terra e não voa

Rio não é avião

É só um leito assentado

eternamente pousado

entre as agruras do chão

 

o rio é um berço da infância

onde se banha a lembrança

do nosso corpo molhado

O rio é uma estrada d’água

onde lavamos a mágoa

de um sonho não consumado

 

Falo do Parnaíba

rio que já faz tempo

vai morrendo pouco a pouco

vai pouco a pouco morrendo

 

Falo do Parnaíba

que deságua no meu peito

cheio de peixes graúdos

e de Torquatos pequenos

 

Seus coloridos vapores

as beiras cheias de cores

as margens dos meus amores

e dos mergulhos serenos

 

Falo de um rio bonito

que existiu noutro tempo

E hoje persiste mito

pela poesia do vento

 

Poesia de Climério Ferreira

Livros

Memórias do Bar do Pedro e outras canções (1975)
Canto do Retiro (1977)
A Gente e a Pantasma da Gente (1978)
Alguns Pensames (1979)
Essa Gente (1984)
Artesanato Existencial (1998)
Pretéritas Canções (2006)
Memorial de Mim (2007)
Da poética Candanga (2010)
Poesia Mínima & Frases Amenas (2011)
Poesia de Quinta (2017)

Anúncios

Um comentário em “Canto do rio, de Climério Ferreira Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.