uns versos, de Adriano Lobão

entre linha limpa descanso sutil não se desdobra

claro enigma em superfície inerte paz abandonada

o inexato revelar de obscura possibilidade

 

ou sem linha alguma talvez planta ou gelo ou chama abstrata

ameno vácuo inscrevendo a simbologia do caos

surdo grito perdido em tinta pelos signos da mão

 

este estranho arabesco de murmúrio e cinza detém

esta palavra infecunda em lauda congelada em vão

rabisco hieróglifo ideograma eólico beijando o vazio

 

nem mestre nem discípulo em apagada estrada escura

como palavra reescrita esquecida de acontecer

poesia de Adriano Lobão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s