Zabelê, de Rafael Nolêto

ZABELÊ
Ilustração: Rafael Nolêto

Zabelê, índia formosa
É da tribo Amanajós*
Causadora de uma guerra
Que durou por sete sóis

Mandaú lhe desejava, era índio bravo e forte
Pelo amor de Zabelê, enfrentou até a morte
Amor não se determina, é um fogo que dispara
Pra azar de Mandaú, Zabelê amou Metara

A Tribo Amanajós lutava com a Pimenteiras*
Zabelê não se importou, perdeu suas estribeiras*
Mandaú ficou possesso, com inveja de Metara
Preparou uma emboscada*, na qual tudo desmascara

As tribos que se odiavam, voltaram a se enfrentar
O amor gerou revolta, fez muito sangue rolar
Um romance desastroso causou mais que só feridas
Pois Metara e Zabelê terminaram sem suas vidas

Vendo aquilo, o Deus Tupã, praticou sua justiça
Despertou sua revolta com toda aquela carniça
Em gato maracajá*, Mandaú foi transformado
Por perseguir Zabelê, agora será caçado

O casal apaixonado teve uma transformação
São dois Juritipirangas*, aves de bela canção
Agora voam bem alto sobre o rio da região
Soltam um canto que ecoa e emociona o coração.

Poesia de Rafael Nolêto.

blog: poetasdobrasil.com.br/poetas/show/id/86

Obras publicadas:

Caminhos Piagas (2015);

Ao Redor do Eixo (2017).

Publicado em: Colunistas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s