Sobre Tristeza, Rigor e a Vontade de Voar

WP_20171116_002
“O ser humano é semelhante a um anjo que, ao cair, perdeu uma asa.

Com uma asa só, não consegue mais voar.

O que faz então?”

Abraça-se ao outro anjo que também caiu e perdeu uma asa.

Assim, um completa o outro.

Abraçados, têm novamente duas asas,

Superam a crise, erguem vôo e conseguem voar;

Se não fossem solidários e não se abraçassem, estariam perdidos. ”

Leonardo Boff

           A tristeza do anjo é não poder voar. Assim mesmo ele continua anjo.

        A linha entre o solo e as alturas não está limitada a ausência de asas. O que limita o vou é a tristeza, e a tristeza é sempre displicente. Como encontrar asas perdidas cultuando tristezas que furtam qualquer possibilidade de voar?

          Talvez fosse a estação da seca, não estou bem certo, pois esses fatos ocorreram há muitos verões, a única coisa certa, é que armamos o circo no Distrito Federal. Quando a cortina se abriu não houveram tristezas, apesar dos dois únicos espectadores que vieram ver o nosso espetáculo. Continuávamos a voar, meio atormentados, é impossível negar, porém, haviam asas e fazia muito sentido planar sobre a multidão de cadeiras vazias.

             No outro dia, ao chegarmos para apresentarmos nossa peça, havia um cartaz pregado na bilheteria cancelando nosso planejado voo. Convencemos, com enorme dificuldade, o segurança a liberar nosso acesso, atabalhoadamente entramos pela última vez no Teatro Dulcina de Moraes para apanharmos as nossas tralhas, as mesmas que eram destruídas pelos técnicos da casa ao retirarem nosso cenário daquele palco tão importante para história da cena nacional. O que sentíamos não era desalento, era uma revolta contida, adornada com misto de pavor e coragem.

         Naqueles dias insólitos, muitas coisas aconteceram, algumas a lembrança teima em relatar:

              Um dos atores com o dedo do meio em riste, em um magnífico gesto obsceno, saúda a estátua da justiça que reside defronte ao Supremo Tribunal Federal. Foi nesse dia, algumas horas antes, que o motorista do coletivo que pegamos para ver as maravilhas arquitetônicas da cidade vociferou quando descíamos do ônibus: “Não sei porque esses nordestinos imundos insistem em vir para Brasília passar fome. ”  Um dos atores da troupe replicou: “Pior é a tua situação que terá que carregar nordestinos até teus últimos dias. ” Os passageiros que assistiam tudo até então calados, aplaudiram, foi um memorável espetáculo.  Mais tarde, na torre de TV projetada por Lucio Costa, ouvimos um rapaz que nos foi apresentado dizer coisa similar evidentemente de uma forma mais educada, ao que respondemos que não fazíamos nenhuma questão de vivermos naquele lugar, as asas estavam firmes, contudo, já não haviam voos.

          Artistas de teatro são seres alados, jamais devem rastejar nos lajeiros da ignorância. O rigor nos concede a propulsão para decolagem e, como era rigoroso nosso diretor, tanto na cena como no ethos, eu era ainda mais ingênuo em 1994, não conseguia entender a sensível rudeza daquele homem. Impossível dimensionar a explosão de fúria do nosso metteurs en scène quando uma atriz do grupo, comprou um frango assado escondido e foi come-lo sozinha, trancada em um quarto. Aquilo que ele falou para ela, na maior altitude da ira naquela ocasião, foi a maior lição de trabalho em equipe, já transmitida a minha pessoa, em todos esses anos de arte. No entanto, naquele instante, só consegui achar engraçado o choro contido e patético da jovem atriz. A crueldade, no mais amplo sentido do termo, sempre fez e fará parte do universo teatral, o amor e a paixão extremada também.

                 Na manhã do último dia, vimos um espetáculo em um jardim, embaixo do bloco de apartamentos da Asa Norte, exatamente no lugar onde estávamos arranchados. A peça era uma adaptação do clássico Romeu e Julieta, feita exclusivamente para apresentações na rua, os atuantes eram muito jovens, alguns ainda na adolescência, esses garotos e garotas eram capitaneados por um diretor de idade avançada de índole bastante jovial. Aqueles artistas eram impulsionados de um rigor estético impressionante e, a pequena burguesia, desceu da tranquilidade monótona dos seus apartamentos naquele domingo, entrou no jogo e voou com a acrobática apresentação que relembrava a história de amor trágico mais conhecida do mundo. Não sei bem o que se passou na cabeça dos meus companheiros de trabalho, mas pensei que como seria bom se aquelas pessoas que aplaudiam felizes tivessem ido nos ver, evitando o nosso retumbante fracasso. Nossas asas começavam a desaparecer. O mal paira até nos momentos mais belos e a alegria nunca foi unanimidade em nenhum lugar ou momento.

               Anoiteceu e queríamos rasgar os ares do Planalto Central, o cenário será o vão da Esplanada dos Ministérios no conjunto arquitetônico criado por Oscar Niemeyer para abrigar o centro das decisões políticas da República.  O pano de fundo era um show de Axé Music ofertado a população do DF, milhares de pessoas se acotovelavam no gramado ressecado para ver e aplaudir as grandes estrelas da música baiana, naquele evento de dimensões épicas presenciamos o linchamento de um rapaz, ele era negro e muito jovem, aparentava ser de origem humilde, seus algozes traziam as mesmas características, a plateia, bem distinta do espetáculo do dia, também não podia intervir no drama que se desenrolava, a Capital Federal apresentava sua face mais brutal, o único sentimento que brotou foi a vontade de não estar mais lá.

                Meses depois o grupo foi desfeito, nossa ida para Brasília teve alguma coisa a ver com o acontecido? Creio que não.  Num dia comum de ensaio o ator mais experiente da equipe disse que ia viajar, o diretor não gostou, os dois trocaram palavras frias e duras, uma semana depois nosso líder disse que iria embora para França, apresentamos mais uma curta temporada daquele espetáculo onde os personagens se confundiram com a vida real.

              Restaram apenas as memórias, onde apoiado numa certa retidão, reconstruí delicadamente essas asas e, voei para um tempo, onde apesar de tudo, vivemos uma absurda sensação de completude.

 

Adriano Abreu

Diretor Teatral

              15 de novembro de 2017 / Fim da Estação Seca

Publicado em: Adriano Abreu, Colunistas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.