Lorena Campelo

A grande musa do teatro piauiense não recebeu o título atoa, são mais de 40 anos dedicados ao teatro. Foram tantos papeis interpretados ao longo da sua história que contar seria um desafio e tantas criações fruto de muito empenho, mas também com muita empolgação que o tempo nunca conseguiu tirar. Lorena Campelo nasceu em Vitorino Freire, no Maranhão, depois veio para Teresina com 8 anos de idade e fez da cidade seu novo lar. Ela já apresentou as peças aclamadas “Soy Loco por Ti”, “Arribação”, “Mata-me Com Teus Beijos”, “Pau a Pau” dentre outras. A atriz já foi homenageada no Festival Nacional de Monólogos “Ana Maria Rêgo”, já dirigiu peças como “A árvore dos mamulengos”, primeira peça do grupo Escalet de Teatro. A história de Lorena Campelo se embaralha e confunde-se com a história de alguns dos grupos teatrais do Piauí, ela foi uma das fundadoras do grupo Raízes, cujo vinculo mantém até hoje. Sua participação no teatro ultrapassa os limites do palco.

“Teatro é o alimento da alma.” Lorena Campelo

Nome Completo: Lorena Gomes de Souza Campelo

Descrição: Atriz e diretora

Data de Nascimento: 27/07/1957

Local de Nascimento: Vitorino Freire-MA

Ela nasceu para os palcos

Crescer experimentando e vivenciando os prazeres da arte estão entre as primeiras lembranças de Lorena Campelo. Que criança não se encantaria com o teatro de bonecos? Assim aconteceu com a jovem artista que desde cedo tinha despertado o interesse pelas artes plásticas. E a família Campelo deu sorte, a mãe incentivava tanto a liberdade artística dos filhos que tanto Lorena quanto os irmãos puderam experimentar as artes de forma intensa. Por volta dos 15 anos ela conheceu o coral, começou a estudar no Centro de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares (CEPI) e foi ali que ela começou a namorar o teatro de longe, observando os alunos das artes cênicas. Um dia Lorena foi assistia à peça que o seu irmão, Açaí, estava participando e ela relembra que na correria do público para entrar no teatro acabou sendo empurrada e caiu por ironia do destino próximo ao diretor da peça, Murilo, que ajudou a jovem a se erguer. Aquele seria o seu primeiro diretor e educador que dirigiu a peça “O Auto do Lampião do Além” de Gomes Campos e foi estreada na reinauguração do Theatro 4 de Setembro em 1975. Foi o momento mágico pisar no palco daquela magnitude pela primeira vez. “A primeira vez que pisei no palco foi mágico, as batidas do coração se misturavam ao frio no estômago. Ali foi o começo e eu não parei mais”, diz a atriz.

A paixão pelo teatro

A paixão pelo teatro fez Lorena Campelo se jogar nos palcos, ela relembra como foram suas primeiras experiências nos palcos, como sempre se empenhou para fazer um bom trabalho e a dedicação fez a atriz se destacar na cidade. Lorena vivia para o teatro e se dividia entre estudo, trabalho e os ensaios. Ela explorou tudo que pôde no teatro, lia teatro, discutia teatro, consumia teatro e frequentava mais de um grupo. Não é atoa que a atriz se sente tão tranquila no palco, são muitos anos investigando várias linguagens, explorando vários tipos diferente de personagens e tudo feito com muita seriedade. São tantos personagens que a atriz já perdeu a conta. O teatro para a atriz Lorena Campelo foi um alimento para a alma. “O que faz o ator é a seriedade com que ele desenvolve o seu ofício”, frisa a atriz. Para ela o teatro passou a ser uma profissão desde o primeiro momento que ela pisou no palco e desde então sempre se esforçou para encantar a plateia e atrair mais público para os palcos que é o grande desafio na classe artística.

A fundação do grupo Raízes

Depois da primeira experiência no palco do Theatro 4 de Setembro não tardou muito Lorena Campelo junto com os seus colegas criaram o Grupo de teatro Raízes que levava o nome pela tendência barrista de aliar a cultura local ao teatro. No inicio o grupo tinha aproximadamente 18 pessoas e estrearam com um show litero-musical envolvendo poesias, música e teatro. Após a morte do diretor o grupo passou por uma reestruturação, sobrando apenas dois atores, Lorena Campelo e William Martins. Então, o dramaturgo Aci Campelo ofereceu uma de suas peças para o grupo deixando livre para que eles adaptassem a peça para o novo formato do grupo. E Aci aceitou o desafio de dirigir pela primeira vez um espetáculo teatral, funcionou e assim o texto “Arribação: o drama de nossa terra” ganhou vida nos palcos com a interpretação de Lorena, William e Ribamar Rocha, tornando-se um dos grandes sucessos do grupo. A história da atriz mistura-se ao do Grupo Raízes, são 40 anos de parceria ininterrupta com pouco mais de 20 espetáculos.

“Arte é o que você vê como transformador, arte estática não existe. Tudo que teus olhos veem como transformação é arte.” Lorena Campelo

Cinema, teatro e direção

Todo o conhecimento acumulado tinha que ser compartilhado, assim fez Lorena Campelo que começou a dar aulas de teatro em 1981, em 1986 dirigiu pela primeira vez e desde então não parou mais, dividiu-se entre atuação e direção. Ela ultrapassou os palcos e explorou as telas do cinema, gostou tanto que continua gravando filmes. Atuaou nas películas de Dalson Carvalho e de Hasley, já dirigiu um filme de Alam, atuou no documentário de Dam Martins. Trabalhar com a atuação, criação, interagir, se relacionar com a plateia e transmitir uma mensagem é o que faz a atriz feliz. Dar vida aos personagens, ajudar a compor uma cena e guiar os atores no processo de montagem faz parte da vida da atriz e diretora. “Quando a atriz some e entra a personagem você está conseguindo respeitar o público e se doando totalmente à cena”. Lorena afirma que atuar sempre foi uma tarefa leve e prazerosa, mas que mesmo hoje ela sente o friozinho na barriga ao entrar no palco, mas que o tempo ajudou a saber lidar com esses sentimentos. Além de trabalhar como atriz, diretora, professora, Lorena Campelo retornou, recentemente, a explorar os palcos como cantora e estreou no show “Roberta por Elas” em maio deste ano cantando três música ao lado de colegas já renomadas no mundo da música e promete voltar aos palcos em breve.

Os desafios prazerosos do teatro

Ser artista não são só flores, mas mesmo com os obstáculos Lorena Campelo diz que compensa ver o brilho no olhar do público. Os rituais do teatro são enriquecedores para a atriz, por isso o seu primeiro contato com o texto e as primeiras impressões dos personagens são tão empolgantes. A intimidade com a criação, segundo a atriz, veio do contato com a fotonovela que alimentava a sua sede artística na adolescência, era ali que ela criava os trejeitos, tonalidades e personalidades para as personagens. Formar plateia é um dos grandes desafios que enfrentamos, conta a atriz, mas isso não desanima, pois quando se faz o que ama os obstáculos se tornam mais palatáveis. “Quando a gente alarga esse horizonte a gente alarga o aprendizado. Todo mundo tem algo para nos ensinar e o teatro tem essa possibilidade de nos tornar mais humano”, diz Lorena Campelo.

A força na dramaturgia

Cada nova peça exige um mergulho dentro de um novo universo, são muitas histórias e experiências que força o criador a pesquisar novos temas e se reconstruir nesse diálogo que nunca para. São muitas gestações, muitas personagens criadas ao longo desses mais de 40 anos de contribuição para o Teatro, tanto que é difícil decidir qual é a personagem preferida, mas Lorena Campelo revela que as peças “Arribação” e “Os Salvados” foram as que mais marcaram, afinal suas personagens eram mulheres fortes que enfrentavam o mundo com muita garra. “A gente pode gostar de uma personagem até pela sua ignorância, principalmente quando ela te dá inúmeras possibilidades dramáticas”, diz a atriz. Lorena participou do movimento que permitiu dilatar as possibilidades na arte, construindo e investigando caminhos que seriam referências às futuras gerações. Insaciável com a arte, sempre disposta a vencer as suas próprias fronteiras, pois ela declara que o artista é movido por desafios e que a arte é movimento, não para.

Contatos

http://facebook.com/lorena.campelo.3

http://instagram.com/campelolorena

Fotos

Vídeos

Espetáculos

“Soy Loco por Ti”;

“Arribação”;

“Mata-me Com Teus Beijos”;

“Pau a Pau”.

 

Última atualização: 01/10/2017

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s