Sandro Moura

O cantor, compositor, guitarrista teresinense Sandro Luiz Oliveira Moura é um dos destaques que temos no cenário musical piauiense. Dono de um estilo bem particular que já conquistou público e crítica com a sua voz e as suas canções. Não é por menos que ganhou o Primeiro Prêmio Rádio FM Cultura de Música na categoria POP. O musico já participou de eventos como o projeto boca da noite, Cachaça fest, Piauí pop, Salipi, Teresina é rock e Teresina pop. Em 2009 gravou o CD e um clipe ambos com o título de “Belas cores”. Participou da gravação do DVD Lança Piau em 2011.

“Eu me considero um velho de 300 anos.” Sandro Moura

Nome Completo: Sandro Moura

Descrição: Cantor, compositor e guitarrista

Data de Nascimento: 30/11/1979

Local de Nascimento: Teresina-PI

O berço musical

Sandro Moura nasceu em uma família de músicos, sua infância foi regrada com muita música e poesia. A arte está no seu sangue e foi se manifestando aos poucos, primeiro com o encanto que ele tinha pela avó a matriarca da família e quem organizava todos os domingos os encontros familiares que mais parecia uma festa. Entre a variedade de estilos trazidos pelos tios tinha do clássico ao popular. Sandro relembra que se emocionou escutando o seu tio Elias Moura, integrante da banda Máquina do Tempo, tocando guitarra, fora os seus outros tios Raimundo e Valdenir que preenchiam os acordes com as suas vozes. E, de fato, era uma festa na percepção do pequeno artista que fazia de tudo para estar entre a avó e os tios. Mesmo habituado a gostar de música foi aos 14 anos que Sandro começou a explorar o violão popular. “Eu acho que eu fui no tempo certo, eu tinha que absorver tudo, sentir tudo, viver toda a minha infância”, diz Sandro Moura.

Os passos de um músico

Apesar dos obstáculos, é preciso rir, tudo passa com mais tranquilidade se você aproveita a vida e decide não só olhar os problemas, é com esse olhar que Sandro Moura decide curtir a vida. Sempre presente nas rodas de violão, Sandro conta que foi se afeiçoando mais ainda pela música enquanto tocava e cantava com os amigos da escola. A sua primeira canção se chama “Tão bem me faz”. O músico começou sua carreira tocando nos bares durante as noites em Teresina. Relembra sorridente como mesmo com as dificuldades se divertiu no início, tinha um violão vagabundo que mal afinava a nota Sol e Ré. Foi nessas idas e vindas que ele conheceu grande parte dos amigos músicos que hoje fazem parte da sua história, como a cantora Dandinha que chamou o músico para fazer uma parceria e deu tão certo que eles tocaram no MP Bar durante alguns anos. “Eu vivi uma época muito boa, uma época marcante, conheci muita gente boa”, relembra Sandro.

Cores de um trabalho

O primeiro trabalho de Sandro Moura se chama Belas Cores gravado em 2009 pelo Cumbuca Cultural, o CD veio com músicas autorais. O músico fez parcerias com o músico e compositor Tairo Silva e o poeta Nathan Sousa, com este compôs a música “Com Razão” que passou por algumas transformações graças às contribuições dos colegas. “Um dia o guitarrista e compositor o Danilo Rudah foi lá em casa e começou a fazer o forro da música e aquilo me inspirou”, diz Sandro. “Eu não vou fingir que sou solidez e por mim, tanto faz, enganar pra que se os olhos entregam, sempre pedem mais”. Criar não é tão simples como parece, é necessário certo esforço e o processo de compor vai acontecendo aos poucos, não se dá da noite para o dia. A música fica martelando na cabeça, esperando a finalização que acontece quando o músico pega o violão e algumas vezes a música fica na incubadora muito tempo até terminar a sua gestação, isso quando o músico não monstra para outro compositor que o ajuda concluindo o que falta. “E isso que é o gostoso, ver outras pessoas contribuindo para a sua arte”, diz o músico.

“A arte é o tempo, é o ar, é a água, é o canto dos pássaros, é o balançar das palmeiras, a dança dos carnaubais. Arte é natureza.” Sandro Moura

A gestação do cortejo

Sandro Moura comenta sobre o novo single, onde canta ao lado da cantora Écore Nascimento e com a produção musical de Igor Barreto. “As borboletas te beijam, os beija flores te espiam, os sapos te cantam… E segue o cortejo da miss”, canta Sandro. A música “O cortejo da miss” tem uma história bem curiosa, Sandro conta que um poeta assistiu a sua entrevista na rádio e, cativado pelas semelhanças artísticas, entrou em contato. O Poeta se chama Daniel que se dedicou a pesquisar a obra de Sandro Moura resenhando, inclusive, sobre uma de suas músicas (Pavilhado Casulo) e essa dedicação impactou tanto o músico que ele quis conhecer o poeta. Foi nesse encontro que Sandro entrou em contato com a música escrita por Daniel, O cortejo da miss, naquele instante ele sentiu-se inspirado e compôs ali mesmo a música. O acaso resolveu pregar uma de suas peças e um cortejo se sobrepôs ao som da música sincronizando-se com o fim da música. O músico relembra encantado a coincidência e completa: “Isso está sempre acontecendo, basta querer enxergar. A minha relação com a natureza é algo muito profundo”

A soma de vozes

“A gente tenta ir em busca da essência e a natureza vai te dando as respostas, você vai sentindo o dia a dia e a natureza pra compor, eu acho que composição é isso”, diz Sandro Moura. O músico é um apaixonado pela simplicidade, ele frisa que é importante conhecer o que é produzido no Piauí e destaca os irmãos Clodo, Climério e Clésio Ferreira que contribuíram muito para a música brasileira, os dois últimos são os autores da música “Revelação” que ficou conhecida nacionalmente na voz de Fagner. A raiz das suas influências na música vem do Rock’n’roll, mas ao longo da sua trajetória foi explorando e absorvendo outros estilos como MPB. Ele diz que começou explorando a guitarra, passando pela zabumba e a bateria. Suas parcerias ajudaram na criação desse estilo singular, com traços de regionalidade e bem misturado. Não é por menos que entre os artistas que ele destaca estão The Beatles e Luiz Gonzaga. “A arte é uma coisa tão ampla que ela se torna neutra”, diz o músico.

A essência do canto

Para Sandro Moura seu método mistura-se com a ideia de essência e a arte não tem que ter pressa, por isso a vida tem que ser sentida e degustada com calma. Ele prefere a tranquilidade e embora sua obra seja tão bem acolhida prefere deixar a música fluir no seu próprio ritmo. O seu trabalho fala envolve o público e é feito com o cuidado de quem gera uma vida, e transforma até os eventos mais turbulentos da vida como inspiração, pois a arte tem o poder de extrair o melhor das situações mais desesperadoras. Sandro está sempre atento aos detalhes sutis do mundo, aos acontecimentos que o fluxo da urbanidade muitas vezes nos impede de perceber. A arte está em cada pedaço da natureza, está nas coisas simples e nós só precisamos sentir a melodia da natureza. Sandro Moura está sempre se reinventando e inspirando novos músicos.

Contatos

http://facebook.com/Sandro.Moura.belascores

http://instagram.com/sandromoura_pi

https://www.youtube.com/channel/UCgm3ZcAtsqQe8pk6wUic9JA

Fotos

Vídeos

Discografia

“Belas cores” (2009);

Participação no DVD “Lança Piauí” (2011);

“O cortejo da Miss” (2017).

Outras fontes

http://cidadeverde.com/noticias/110178/sandro-moura-defende-no-talentos-do-piaui-estilo-musical-alternativo

 

Última atualização: 27/08/2017

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s