O sangue das rosas, de Abdias da Costa Neves

Quando sinto cantarem sobre as telhas

O ouro da luz e a voz das madrugadas,

vou ver morrer no céu as irisadas,

pequeninas e fúlgidas centelhas.

Ainda não despertaram as abelhas

para a festa das ramas enfloradas.

Pássaros dormem. Abertas nas estradas,

Rosas pompeiam pétalas vermelhas…

De onde lhe vem aquele sangue rubro?

Sigo, pé ante pé, olho e me encubro

Nos roseirais e de onde posso vê-las,

E vejo, então, velando o espaço infindo,

aquele sangue vir do céu caindo

pelos olhos de prata das estrelas…

(1876-1928)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.