NOVELA, de Climério Ferreira

Tecendo fio por fio
A gente tece a meada
Costura o nó, dá laçada
A gente faz a novela

Finge calor, se tá frio
Se faz de rio e nada
Banca verão na invernada
A gente chove no estio

Estrada pro fim de mundo
Escada pra não subir
A gente chora ao se rir
No mais vazio profundo

Um poste que não tem luz
Na rua que não tem casa
A gente voa sem asa
E pousa na própria cruz

Um rente que nunca é cheio
Espelho que não reflete
Um eco que não repete
Um todo que não tem meio

A gente vai quando vem
Se apressa quando parado
E nesse leve pesado
A gente é tudo e ninguém

Climério Ferreira

Livros

Memórias do Bar do Pedro e outras canções (1975)
Canto do Retiro (1977)
A Gente e a Pantasma da Gente (1978)
Alguns Pensames (1979)
Essa Gente (1984)
Artesanato Existencial (1998)
Pretéritas Canções (2006)
Memorial de Mim (2007)
Da poética Candanga (2010)
Poesia Mínima & Frases Amenas (2011)
Poesia de Quinta (2017)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s