Pé-de-Garrafa – Lendas Piauienses

Reunidos ao redor de uma fogueira, no meio da mata fechada, nas brenhas do Piauí, Bento Afonso, Francisco Neto e Gervásio dividiam um caldo de carne – que tinha mais caldo do que carne – sob a luz de uma lua bem cheia. Eram amigos de longa data, filhos daquela terra fértil e tão fértil, quanto era a terra, era a imaginação e as memórias desses três caçadores.

Naquelas noites, que parecia trazer um inverno que o Piauí não tinha, eles costumavam recontar as histórias que viveram ou que imaginavam que viveram em um passado antigo. E nesse monte de história, a que mais rendia conversa era sobre o tal Pé-de-garrafa…

– Esse bicho ainda há de me pagar! – Gervásio começava a resmungar, com seu jeito valentão que mostrava ser.

– Mas ‘tu acha’ mesmo que aquela caça toda foi perdida por conta do Pé-de-garrafa? – Bento Afonso indagava. Ele era o mais medroso do grupo.

– Oxe, eu tenho é certeza! Não vou me esquecer os gritos desse monstro dos infernos que vive por aí nessa mata a espantar os caçadores justamente quando estão trabalhando.

– Não sei não, Gervásio. Não acredito que esse Pé-de-garrafa pense em espantar caçador. Das vezes que passei perto de encarar esse bicho, ele parecia mais gente perdida a pedir socorro do que monstro a tentar nos matar ou atrapalhar. – Francisco Neto falava com convicção.

– Duvido! – Gervásio remendava – Cansei de ouvir os gritos desse metade homem, metade animal! Eram gritos perturbadores! Se era ajuda que ele queria, o máximo que senti foi vontade de caçar ele e matar…

– Mas isso ninguém consegue! Única coisa que se sabe desse bicho são os rastros de fundo de garrafa que ele deixa por aí – Bento Afonso falava – e, pior, não dá para saber nem a direção que vai, porque são pegadas de fundo de garrafa e não um pé de gente!

– Infeliz! Meu sonho era capturar esse bicho! – Gervásio quase gritava.

– Mais fácil acabar capturado por ele – Bento Afonso falava receoso.

– Faz tanto tempo que ele não aparece por aí, ninguém vai capturar nem ser capturado. Talvez ele tenha se mudado para outro Estado e cansado do Piauí – Francisco Neto refletia.

– Acho que não. Pé-de-garrafa é bicho muito antigo, meu avô falava dele e dizia que era uma assombração presa às matas do Piauí – Bento Afonso contou – Vive desaparecendo, mas sempre ressurge para assombrar com sua forma estranha.

– Se é piauiense ou não, pouco importa… Só sei que vou estar sempre disposto a pegar esse animal ou homem com pé de garrafa! – Gervásio falou em alto e bom tom.

E naquele instante, o silêncio reinou profundamente. A mata ficou mais silenciosa do que o normal. Os grilos pararam de cantar. E uma nuvem densa começou a cobrir a lua cheia que os iluminava. Os três caçadores se entreolharam e sentiram ao mesmo tempo um frio na espinha. Parece que, por ali, alguém ouvia aquela conversa toda à espreita. E essa sensação foi o bastante para os colocar debaixo de suas cobertas e forçar o sono vir.

Na manhã do outro dia, Bento Afonso foi o primeiro a acordar. Francisco Neto ainda dormia. E no lugar de Gervásio, um vazio. E, para completar seu medo, logo notou: no chão de terra de onde acamparam e dormiram, muitas marcas circulares, como se fossem fundos de garrafa, para todo lado, ao redor de todos eles. Um rastro de algo que nunca seria compreendido.

Escrito por Evilanne Brandão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s