Quitandinha, de Cineas Santos

Razão social não tinha;
tinha caixa de Maizena,
biscoito Aimoré, sardinha.
E, em posição de sentido,
garrafas de cajuína;
tinha um doce que sabia
a mão de dona Purcina.
Livro de conta não tinha;
tinha o gato que dormia
sobre um saco de farinha.
Tinha o menino poeta,
meio avesso, desatento,
que sempre errava no troco,
que conversava com o vento
e era tido como louco.
O tempo passando, e um dia,
a quitandinha fechou…
Ficou somente a poesia,
miúda mercadoria,
por não achar comprador.

Poesia de Cineas Santos

Livros

  • Miudezas Em Geral (poesia)
  • Tinha Que Acontecer (contos)
  • ABC Da Ecologia (cordel)
  • Aldeia Grande (humor)
  • O Menino Que Descobriu As Palavras (infantil)
  • Nada Além (poesia)
  • O Trem da vida – infantil
  • A metade extraviada (infanto-juvenil)
  • Cacos de mim – crônicas
  • Cambalhotas pra ninguém – crônicas
Anúncios

Um comentário em “Quitandinha, de Cineas Santos Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s