A Dor do Piauí: Dionísio Vilarinho (1921-1947), poeta de Amarante (PI)

A Literatura produzida no Piauí é vasta. Trago aos leitores da Geleia Total uma estória curiosa e trágica vivenciada por Dionísio Vilarinho, um poeta piauiense, nascido em Amarante, terra natal de Da Costa e Silva.

Dionísio Vilarinho deu fim à própria vida aos 26 anos de idade. Sergio Faraco, escritor gaúcho, bem relata o caso em seu livro 60 Poetas Trágicos, a seguir transcrito:

” Poeta e sargento do Exército Brasileiro, foi protagonista de um assombroso drama em Alegrete: o poeta e a noiva se suicidaram, amargo desenlace de uma história de amor, ciúme e perversão. Após beber suco de uva com arsênico, ao meio-dia de uma segunda-feira, ele chamou o amigo e também poeta Hélio Ricciardi, pedindo que escrevesse o soneto que acabara de fazer e iria ditar. O amigo, percebendo que ele já se envenenara, não conseguiu escrever e se apressou a chamar o médico. Então ele mesmo escreveu, com a mão trêmula, o soneto que segue. Morreu na quarta-feira no Hospital Militar – no mesmo dia em que morria a noiva no Hospital de Caridade. Passados seis anos, Hélio Ricciardi reuniu sua pequena obra e a publicou em Alegrete, com o título de Música Indefinidainaugurando a histórica série dos Cadernos do Extremo Sul. Vilarinho ainda não era um poeta, mas tinha talento para sê-lo se tão cedo não desistisse de viver.”

Depoimento de Sergio Faraco, um dos grandes escritores brasileiros.

Resultado de imagem para Sérgio Faraco

(Sergio Faraco)

 

Reprodução / Ver Descrição

(Mário Quintana e Hélio Ricciardi, amigo do piauiense Dionísio Vilarinho)

 

=======================

O poema derradeiro de Dionísio Vilarinho foi intitulado de Vinte e Seis anos, em referência à tenra idade em que o poeta cometeu suicídio.

 

VINTE E SEIS ANOS

 

poema de Dionísio Vilarinho

 

Vinte e seis anos… Vinte e seis mil passos

à procura de um bem, de uma ilusão!

Vinte e seis mil soluços de cansaços,

mil preces, mil pedidos…Tudo em vão.

 

Vinte e seis anos… Trinta mil fracassos…

Trinta mil tentativas de ascensão

sem êxito… Cair de membros lassos,

trinta mil vezes revertendo ao chão.

 

Já na casa dos meus vinte e seis anos,

curvado ao peso atroz dos desenganos,

sinto os desígnios infernais da sorte.

 

E assim desiludido, assim cansado,

de minha própria vida, eu, entediado,

evoco e espero com prazer a morte.

 

========

Dionísio Vilarinho nasceu em Amarante, no Estado do Piauí, terra do poeta Da Costa e Silva, e morreu em Alegrete, no Rio Grande do Sul, em 1947.

 

======

Minuta de Diego Mendes Sousa

Amarante - PI

(Fotografia de Amarante, Piauí)

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.