Rascunho 2

Meus silêncios são tempestades

nas águas calmas do teu peito confortador.

Queria eu, ser o motivo das borboletas

que voam, serenas, no teu estômago gélido, inóspito,

no teu abraço, mórbido e frio, que me desesperou.

Conformado dos limites de não ser também alado,

tento te apreciar tácito

e sempre rindo num timbre de perdedor.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.